O que é juízo? Devemos julgar? Qual é o tipo de juízo que a bíblia nos ordena fazer? Como julgar?


"Balanças justas, pesos justos, efa justo, e justo him tereis. Eu sou o Senhor vosso Deus, que vos tirei da terra do Egito." Levítico 19:36

Na verdade muitos cristãos pensam que é proibido julgarmos qualquer coisa, entretanto não foi isso que o Senhor Jesus quis dizer em sua palavra quando disse "não julgueis para que não sejais julgados, pois com o juízo que julgardes também sereis julgados e com a medida que medirdes também sereis medidos". Na realidade o Senhor estava apenas ensinando os cristãos a não fazerem juízos segundo a aparência das coisas mas sim segundo a reta justiça, além de tudo, estava ensinando os cristãos a serem misericordiosos em suas palavras e atitudes afim de alcançarem também misericórdia diante do Pai Celestial, e a consertarem primeiramente as suas próprias vidas antes de querer fazer os outros praticarem o bem. "Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; e a misericórdia triunfa do juízo." (Tiago 2:13) Veja portanto que a palavra julgar tem propriamente também o sentido de discernir, de examinar uma causa, formar uma opinião, ou um conceito sobre, não é simplesmente o sentido de condenar, mas também de julgar e discernir entre bem e mal para que se possa escolher o bem além das aparências, e é neste sentido que todos os cristãos são ordenados pela própria palavra a aprenderem a julgar, aprenderem a discernir, aprenderem a examinar todas as coisas.

Ao exercer o julgamento e discernir uma questão o cristão deverá usar de equidade, cujo significado coloco abaixo retirado de um dicionário on-line:

e·qui·da·de |qüi| 
1. Igualdade.
2. .Retidão na maneira de agir. = IMPARCIALIDADE
3. Reconhecimento dos direitos de cada um.
4. Justiça .reta e natural.

vender com equidade
• Contentar-se com um ganho razoável, sem se valer da necessidade que o comprador tem do .gênero.

Antônimo Geral: .INIQUIDADE

------------ Vamos ao ensino ------------

"Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça." João 7:24

As palavra acima são do próprio Cristo, querendo nos ensinar que ao julgarmos uma causa não devemos levar em conta o parecer das coisas, mas inquirir diligentemente pela retidão e justiça. Ora, a reta justiça é a própria palavra de Deus, devemos julgar tudo segundo a palavra. Isso inclui um monte de preceitos bíblicos, inclusive para nós que somos cristão envolve a maturidade espiritual, e também o conhecimento da palavra de Deus para que se possa fazer um juízo com equidade, e não um juízo de iniquidade, mas antes disso também inclui termos um coração correto para com Deus. Um coração torto jamais poderá fazer um juízo reto, e é por isso que o princípio da sabedoria sempre será o temor de Deus, um coração temente a Deus.

Vamos analisar portanto alguns preceitos e alguns aspectos na bíblia a respeito de como devemos ser prudentes, ter calma, e proceder para julgar ou discernir uma determinada causa:

Ponto 1: Devemos nascer de novo

"Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido." 1 Coríntios 2:15

Há princípios que são utilizados em tribunais de justiça aqui na terra e que encontram base na escritura, por exemplo, escutar as partes envolvidas, as testemunhas, colher as provas imparcialmente, entretanto como estamos falando a respeito de julgar e discernir coisas espirituais precisamos ter em mente que os assuntos espirituais se discernem espiritualmente, e que a carne e sangue não podem compreender os assuntos que são do Espírito Santo. É por isso que para termos julgamentos espirituais na igreja do Senhor precisamos primeiramente de tudo nascer de novo, nos tornarmos homens espirituais, cheios do Espírito Santo, pois sem a ajuda do Senhor certamente tropeçaremos no juízo e não conseguiremos discernir bem a questão toda.

O homem natural julga tudo por aquilo que ele vê, mas o espiritual, por causa do temor do Senhor, ele não julga segundo a aparência, mas recebe ajuda de Deus para ver além do que os olhos podem enxergar. Sendo assim ele procurará fazer um julgamento justo e espiritual, baseado na palavra de Deus e não em suas próprias convicções. Busquemos auxílio pois do Senhor, para que removamos bem removida a trave de madeira dos nossos próprios olhos, e ai então poderemos ajudar nosso irmão com o cisco de madeira que esteja em seu olho. Vamos ser espirituais primeiro de tudo, nos arrepender, nos converter ao Senhor de todo coração, pois é somente através da cruz de Cristo, e do seu sacrifício, e da fé em Jesus Cristo, que podemos nascer de novo, receber novo coração, e crucificar a nossa carne, nascendo do Espírito Santo.

Este primeiro passo é muito importante, pois revela que há um grande trabalho a ser realizado em nossos corações pelo Espírito Santo antes de podermos julgar as coisas. Devemos pois "morrer mil mortes" antes de abrir as nossas bocas, devemos ser espirituais, e a única saída que há para isso é a cruz de Nosso Senhor, lá está a justiça da igreja santa. É Dele que vem os seus frutos, frutos de arrependimento, santidade, e justiça, que vem da cruz, para a igreja, pela fé. Eles vem de Cristo, não de nós mesmos, pois um homem não pode ter nada se do alto não tiver recebido. Este primeiro ponto talvez seja o menor de todos, mas é a base para todos os demais que trataremos aqui, tome-o com atenção, e examine-se a si mesmo, qual é a condição da sua alma? Qual é a condição do seu coração? E então vá ao Senhor, peça perdão, receba o alívio e a lucidez necessária para exercer a justiça em conformidade com a palavra.

É da cruz que vem a cura e a justiça para a igreja e para a humanidade que receber ao Senhor.

Se limpe no Sangue que traz a justiça de Deus para o nosso coração.

Ponto 2: Não devemos confiar nos nossos sentidos carnais

A bíblia fala sobre o seguinte, irai-vos e não pequeis, e também diz, a ira humana, jamais opera a justiça de Deus. Precisamos ter isso em conta por que um dos fatores para julgarmos (discernir) bem qualquer questão é julgar de forma imparcial, sem paixões envolvidas. Se você está nervoso a respeito de uma questão, ou tremendamente indignado, é melhor então esfriar um pouco a cabeça em oração com o Senhor antes de tomar qualquer decisão, pois a calma desfaz grandes erros. Veja o que a palavra fala a respeito dos juízos do Senhor e de como o Senhor julga todas as questões com justiça e imparcialidade:

"E repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o espírito de sabedoria e de entendimento, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Senhor. E deleitar-se-á no temor do Senhor; e não julgará segundo a vista dos seus olhos, nem repreenderá segundo o ouvir dos seus ouvidos. Mas julgará com justiça aos pobres, e repreenderá com equidade aos mansos da terra; e ferirá a terra com a vara de sua boca, e com o sopro dos seus lábios matará ao ímpio, E a justiça será o cinto dos seus lombos, e a fidelidade o cinto dos seus rins." Isaías 11:2-5

Este texto fala sobre como é importante estarmos cheios do Espírito Santo para podermos julgar corretamente. É um texto que fala do Senhor Jesus Cristo, e nos ensina que a justiça muitas vezes está além do que podem ver nossos olhos ou ouvir os nossos ouvidos, precisamos do Espírito Santo se quisermos cumprir a justiça segundo a palavra. Só Ele pode crucificar nossos sentidos carnais e nos ensinar e revelar os julgamentos do Senhor segundo a reta justiça.

Veja no texto abaixo como o Senhor está ajudando Samuel a julgar de maneira correta:

"Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração." 1 Samuel 16:7

Por isso o justo deverá andar por fé, e não por vista, fé na palavra de Deus, e somente assim poderá julgar com equidade. Nós estamos acostumados a usar a palavra juízo apenas como castigo, entretanto julgar além de discernir também pode ter o sentido de resolver alguma causa. Moisés por exemplo julgava o povo todo o dia, ele estava na verdade ajudando o povo a resolver a suas questões. Então um juiz, ou fazer um juízo, tem um sentido muito mais amplo do que simplesmente dar uma sentença condenatória ou aplicar um castigo, um juiz também serve para julgar, discernir, examinar, e resolver uma determinada situação.

Ponto 3: Devemos ouvir ambos os lados e as testemunhas

"Não farás injustiça no juízo; não respeitarás o pobre, nem honrarás o poderoso; com justiça julgarás o teu próximo." Levítico 19:15

"Porventura condena a nossa lei um homem sem primeiro o ouvir e ter conhecimento do que faz?" João 7:51

A palavra do Senhor diz que Ele é Pai de órfãos, e Juiz de viúvas. Estas duas classes de pessoas, já nos tempos bíblicos eram normalmente muito prejudicadas em juízo diante dos homens. Normalmente se favoreciam os poderosos por causa dos seus interesses, enquanto se desfavorecia os pobres fazendo assim uma clara acepção de pessoas e tornando-se juízes de maus pensamentos. Entretanto veja bem, mesmo que os profetas sempre protestassem contra os que pervertiam o juízo das viúvas e dos pobres, também há nas escrituras um dever de não considerar o pobre justo apenas por que ele é pobre, mas sim por que de fato ele está praticando a justiça. Não se deve favorecer o menos abastado se ele estiver errado apenas por conta de ele ser pobre, e do mesmo modo não se deve favorecer o rico se ele estiver errado apenas por conta dele ser rico. O certo é o certo, e o errado é o errado, e a justiça, e o que é justo, isso sim, é justo.

"E na vossa lei está também escrito que o testemunho de dois homens é verdadeiro." João 8:17

Em muitos casos no antigo testamento nós podemos compreender que era importante que o fato fosse testificado por mais de uma pessoa para dar validade e crédito ao assunto em questão:

"Uma só testemunha contra alguém não se levantará por qualquer iniquidade, ou por qualquer pecado, seja qual for o pecado que cometeu; pela boca de duas testemunhas, ou pela boca de três testemunhas, se estabelecerá o fato." Deuteronômio 19:15

"Mas, se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada." Mateus 18:16

"É esta a terceira vez que vou ter convosco. Por boca de duas ou três testemunhas será confirmada toda a palavra." 2 Coríntios 13:1

O estabelecimento de testemunhas, tanto de defesa quanto de acusação é utilizado nos tribunais até hoje em dia, há sempre espaço para diálogo, para que as partes possam falar, e o juiz possa escutar ambas e de maneira imparcial possa reunir tudo que precisa para o esclarecimento dos fatos e para que possa dar a sentença segundo a lei. Isso visa coibir injustiças e julgamentos precipitados, e mesmo assim temos na própria história bíblica momentos em que pessoas eram pagas para dar falso testemunho a respeito das situações, tendo em vista perverter o direito, e condenar o justo, mas veja o que a palavra fala sobre a falsa testemunha:

"Não dirás falso testemunho contra o teu próximo." Êxodo 20:16

"A falsa testemunha perecerá, porém o homem que dá ouvidos falará sempre." Provérbios 21:28

Veja como o próprio Senhor foi vítima de falso testemunho:

"E não o achavam; apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas, não o achavam. Mas, por fim chegaram duas testemunhas falsas, E disseram: Este disse: Eu posso derrubar o templo de Deus, e reedificá-lo em três dias. E, levantando-se o sumo sacerdote, disse-lhe: Não respondes coisa alguma ao que estes depõem contra ti? Jesus, porém, guardava silêncio. E, insistindo o sumo sacerdote, disse-lhe: Conjuro-te pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus. Disse-lhe Jesus: Tu o disseste; digo-vos, porém, que vereis em breve o Filho do homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu." Mateus 26:60-64

E veja como salmista ora pedindo a Deus que o livre das cruéis falsas testemunhas, pois segundo a palavra de Deus dar testemunho falso é um ato de crueldade:

"Não me entregues à vontade dos meus adversários; pois se levantaram falsas testemunhas contra mim, e os que respiram crueldade." Salmos 27:12

A falsa testemunha deverá receber das mãos de Deus o mesmo juízo com que está julgando com as suas mentiras. Você pode ler Deuteronômio 19:15 em diante a respeito disso.

Ponto 4: Devemos julgar tudo segundo a palavra

Se você não conhece a história de Salomão, e como ele julgou a causa de duas mulheres prostitutas creio que esta é uma das grandes histórias da bíblia a respeito de como se faz um julgamento justo, reto, santo, e sábio, e de como se usa a sabedoria de Deus para que se possa manifestar os desejos escondidos dos corações quando sabemos manejar bem a Espada do Espírito que é a palavra de Deus:

"Então vieram duas mulheres prostitutas ao rei, e se puseram perante ele. E disse-lhe uma das mulheres: Ah! senhor meu, eu e esta mulher moramos numa casa; e tive um filho, estando com ela naquela casa. E sucedeu que, ao terceiro dia, depois do meu parto, teve um filho também esta mulher; estávamos juntas; nenhum estranho estava conosco na casa; somente nós duas naquela casa. E de noite morreu o filho desta mulher, porquanto se deitara sobre ele. E levantou-se à meia-noite, e tirou o meu filho do meu lado, enquanto dormia a tua serva, e o deitou no seu seio; e a seu filho morto deitou no meu seio. E, levantando-me eu pela manhã, para dar de mamar a meu filho, eis que estava morto; mas, atentando pela manhã para ele, eis que não era meu filho, que eu havia tido. Então disse a outra mulher: Não, mas o vivo é meu filho, e teu filho o morto. Porém esta disse: Não, por certo, o morto é teu filho, e meu filho o vivo. Assim falaram perante o rei. Então disse o rei: Esta diz: Este que vive é meu filho, e teu filho o morto; e esta outra diz: Não, por certo, o morto é teu filho e meu filho o vivo. Disse mais o rei: Trazei-me uma espada. E trouxeram uma espada diante do rei. E disse o rei: Dividi em duas partes o menino vivo; e dai metade a uma, e metade a outra. Mas a mulher, cujo filho era o vivo, falou ao rei (porque as suas entranhas se lhe enterneceram por seu filho), e disse: Ah! senhor meu, dai-lhe o menino vivo, e de modo nenhum o mateis. Porém a outra dizia: Nem teu nem meu seja; dividi-o. Então respondeu o rei, e disse: Dai a esta o menino vivo, e de maneira nenhuma o mateis, porque esta é sua mãe. E todo o Israel ouviu o juízo que havia dado o rei, e temeu ao rei; porque viram que havia nele a sabedoria de Deus, para fazer justiça." 1 Reis 3:16-28

"Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." Hebreus 4:12

Discernir é julgar, e mais uma vez vemos que a palavra, a espada, ajudou Salomão a discernir quem era a mãe verdadeira e a que deveria ficar com o filho. Veja bem também que sem conhecer a palavra o cristão fica com um poder de juízo e discernimento reduzido, e mesmo o Senhor Jesus, cheio do Espírito Santo, enfrentou a tentação de satanás no deserto através do conhecimento da palavra pelo Poder do Espírito, sempre se firmando naquilo que está escrito.

"E Jesus, respondendo, disse-lhes: Porventura não errais vós em razão de não saberdes as Escrituras nem o poder de Deus?" Marcos 12:24

"Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho." Salmos 119:105

Ponto 5: Devemos aprender a inquirir com diligência

in·qui·rir - Conjugar
(latim inquiro, procurar com cuidado, investigar)
1. Procurar saber, fazendo perguntas. = INDAGAR, PERGUNTAR, QUESTIONAR
2. Investigar para apurar a verdade. = AVERIGUAR
Confrontar: inquerir.

Aprender a inquirir significa ser prudente, ou seja, não acreditar em tudo logo de cara, por causa do primeiro impacto. Você imagine a seguinte questão, alguém chega para você e diz "o teu melhor amigo, eu o vi falando mal de você". Se você for rápido demais no gatilho vai desfazer aquela amizade, mas talvez mais tarde você pudesse entender que aquele que te fez a denúncia era na verdade uma falsa testemunha. Lembremos o julgamento do Senhor Jesus e como Ele foi caluniado injustamente. Então o que a palavra ensina é que devemos aprender a inquirir, investigar, e ter calma até que possamos ter evidências e clareza suficiente para dar um justo discernimento, sentença, veredito.

"Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor." 1 Coríntios 4:5

Julgar antes de tempo é julgar com precipitação, e os que julgam precipitadamente acabam espalhando boatos e mentiras por causa da sua pressa. Deve-se inquirir, escutar as partes, ouvir as testemunhas, examinar as provas, examinar as escrituras, orar, acalmar o coração, e somente então teremos e conseguiremos o juízo de Deus. Inquirir é na verdade examinar e buscar pela verdade e pela justiça/retidão, de maneira imparcial.

"A testemunha verdadeira livra as almas, mas o que se desboca em mentiras é enganador." Provérbios 14:25

"O primeiro a apresentar a sua causa parece ter razão, até que outro venha à frente e o questione." Provérbios 18:17 (Versão NVI)

"A primeira pessoa a apresentar a sua causa sempre parece ter razão, até que a outra pessoa venha a frente e defenda a sua tese" Provérbios 18:17 (Versão King James)

"Quem apresenta a sua causa sempre parece ter razão até surgir alguém contando o outro lado da história" Provérbios 18:17 (Bíblia Viva)

Se você for por exemplo aconselhar um casal que está passando por problemas, e você escutar apenas o homem, então você fará um mau juízo da mulher, ou vice-versa, é por isso que deve-se escutar ambos e então consultar ao Senhor, a palavra. Quem fala primeiro sempre parece ter razão, mas devemos ter calma aprender a examinar e inquirir para ver se aquilo realmente é verdade, há o direito de contraditório, ou seja, deve-se escutar ambos os lados e então buscar a face de Deus e assim cortaremos os boatos do nosso meio.

Lembre por exemplo quanto tempo José ficou na prisão na bíblia por causa da mentira de uma testemunha falsa que o queria propositalmente e cruelmente prejudicar só por que ele era justo e não quis praticar a injustiça. Mas naquela história não foi feita justiça, não se deu a José a chance de contradizer tudo, não se procurou provas, e nem testemunhas, e ele foi para a prisão injustamente por causa de uma acusação falsa. Há muitos outros textos na bíblia que tratam do mesmo assunto, mas estamos citando alguns apenas para esclarecimento e no demais todos podem meditar nestas coisas e Deus dará maior compreensão.

Ainda sobre inquirir:

"Quando ouvires dizer, de alguma das tuas cidades que o Senhor teu Deus te dá para ali habitar:
Uns homens, filhos de Belial, que saíram do meio de ti, incitaram os moradores da sua cidade, dizendo: Vamos, e sirvamos a outros deuses que não conhecestes; Então inquirirás e investigarás, e com diligência perguntarás; e eis que, sendo verdade, e certo que se fez tal abominação no meio de ti; Certamente ferirás, ao fio da espada, os moradores daquela cidade, destruindo a ela e a tudo o que nela houver, até os animais." Deuteronômio 13:12-15

Para nós hoje em dia o ferir a espada que encontramos neste texto jamais significa matar as pessoas literalmente com uma espada, mas sim, usar a palavra para reprovar o engano. O Senhor ensina a como lidar com a apostasia em nosso meio, como cortar ela. A palavra ensina a "inquirir, e investigar", "perguntar com diligência", e somente "se for verdade", então que se deve agir. Quer dizer, mais de uma vez na bíblia encontramos a lição de aprendermos a ouvir bastante antes de falar qualquer coisa, e a não sair acreditando em tudo logo de primeira, por mais impactante que a informação possa ser, será que não há algo que a contradiga nas escrituras?

Nestes casos somente o Senhor pode nos ajudar.

Ponto 6: Maturidade espiritual

"E a meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano, e o farão discernir entre o impuro e o puro." Ezequiel 44:23

Distinguir e fazer distinção é o mesmo que julgar, julgar entre o bem e o mau, entre o puro e o impuro, entre o doce e o amargo, e assim por diante, isso requer maturidade espiritual e confiança em Deus.

"Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal." Hebreus 5:14

"Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois porventura indignos de julgar as coisas mínimas? Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida? Então, se tiverdes negócios em juízo, pertencentes a esta vida, pondes para julga-los os que são de menos estima na igreja? Para vos envergonhar o digo. Não há, pois, entre vós sábios, nem mesmo um, que possa julgar entre seus irmãos?" 1 Coríntios 6:2-5

O escritor de Hebreus se refere aos perfeitos, como os maduros, aqueles que já estão entre os irmãos apto a julgar e discernir entre o bem e o mau. Quando o cristão acaba de se converter ele recebe os primeiros rudimentos da palavra, tal qual uma criança recém nascida ele se alimenta de leite ainda, porém conforme vai crescendo na graça e no conhecimento do Senhor, ele deve passar para o alimento sólido e então estará apto para discernir bem e mal. Paulo também repreendeu os Coríntios, julgando ser uma vergonha que entre os irmãos não houvesse ninguém maduro o suficiente para julgar as questões que haviam entre eles. No caso Paulo pontuou que já era errado haver questões entre eles, mas já que haviam, era vergonhoso que nenhum entre eles pudesse ser maduro o suficiente para julgar aquelas causas e eles estivessem indo resolver as coisas diante dos juízes e magistrados comuns desta terra. Com isso a escritura mais uma vez nos ensina que devemos buscar ter sabedoria, como Salomão, para julgarmos do jeito certo e ajudarmos naquilo que for possível e para isso é necessário crescermos e termos maturidade espiritual, que vem com o tempo, a graça de Deus, empenho e alimentação espiritual adequada.

Se nós iremos julgar até os anjos, como não poderemos ser capazes de julgar questões menores entre nós mesmos? Quando pensamos assim podemos nos examinar e perceber, será que realmente estamos fazendo a vontade de Deus? Onde está a nossa maturidade espiritual que se conquista passo a passo andando com Cristo? Este é um argumento interessante para trazer a igreja ao arrependimento nesta questão, para que amadureça.

Lembre que julgar nada tem a ver com contendas de palavras, ao servo do Senhor não cabe contender, e até mesmo devemos evitar certos tipos de palavras e contendas para não perverter os ouvintes:

"E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor;" 2 Timóteo 2:24

"Traze estas coisas à memória, ordenando-lhes diante do Senhor que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam e são para perversão dos ouvintes." 2 Timóteo 2:14

Veja que a bíblia também nos ensina a provar os falsos apóstolos, e também nos ensina a provar a palavra que ouvimos para ver se ela realmente vem de Deus ou não, isso é parte de julgar com justiça, para não chamarmos de homens de Deus pessoas que não são de fato.

"Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos." Apocalipse 2:2

Ora nós provamos os falsos apóstolos julgando-os segundo a palavra. Veja abaixo outro elogio aos cristãos de Beréia porque examinavam as escrituras:

"E logo os irmãos enviaram de noite Paulo e Silas a Beréia; e eles, chegando lá, foram à sinagoga dos judeus. Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim." Atos 17:10,11

Veja como os crentes de Beréia foram elogiados pelos apóstolos porque examinavam, julgavam, conferiam, aquilo que escutavam juntamente com as escrituras na busca pela verdade. A bíblia também ensina a julgar os espíritos e as profecias:

"Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo." 1 João 4:1

"E falem dois ou três profetas, e os outros julguem. Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados. E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos." 1 Coríntios 14:29-33

A palavra de Deus portanto nos ensina a escutar porém com ouvidos atentos, julgando e discernindo aquilo que escutamos. Se toda a igreja estiver alerta e julgando o que está ouvindo ela será capaz de se vigiar a si mesma e rejeitar aquilo que esteja errado, corrigindo-se a si mesma e se ajudando mutuamente a andar e permanecer na verdade. Prestem bem atenção nisso, cada um de nós é responsável também por aquilo que ouve, e para tanto o Senhor nos deu o Seu Espírito para nos ensinar todas as coisas:

"E a unção que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis." 1 João 2:27

Para que todos sejam ensinados por Deus e aprendam com Cristo, que dá graça aos humildes, resiste porém aos soberbos!

Ponto 7: O julgamento de Paulo diante dos apóstolos de Jerusalém

Em Atos capítulo 15 nós temos um grande exemplo a respeito de como uma igreja deve se portar para resolver as questões que surgem em seu meio. Paulo não estava em Jerusalém, ele vinha pregando por todo o mundo, conforme ele mesmo disse, ele recebeu o chamamento diretamente do próprio Deus e não foi consultar os que já eram apóstolos antes dele para saber se ele podia pregar ou não. Ele simplesmente foi impelido pelo Espírito e saiu pregando, e neste momento surgiu a primeira grande questão da igreja primitiva, a questão era se os gentios, novos cristãos, deveriam se circuncidar ou não, conforme o costume de Moisés. Paulo passava por todos os lugares, sem nem ter consultado a opinião da igreja de Jerusalém a respeito, mas convicto de que não havia a menor necessidade dos gentios se circuncidarem, mas muitos disputavam com ele dizendo que se não se circuncidassem segundo Moisés não poderiam ser salvos. A questão se avolumou tanto que foi parar em Jerusalém, diante dos apóstolos para ser resolvida.

Paulo é o mesmo que repreendeu Pedro em determinada situação, e o mesmo que escreveu que assim como no passado usamos nossos membros para a injustiça, agora deveríamos usar para a justiça. Certamente se no passado Paulo não tinha medo de entrar nas casas e perseguir aos cristãos, quanto mais agora não deveria ter medo de defender o evangelho. Paulo não estava na carne, Paulo estava no Espírito Santo, e não repreendeu a Pedro por inveja, mas movido por um santo zelo pelo evangelho santo. Pedro era o líder da igreja primitiva naqueles dias, e junto com alguns outros apóstolos eram considerados as colunas, mesmo assim, Paulo não se deixou intimidar e quando viu que não procediam de acordo com o evangelho falou na frente de todos a respeito da dissimulação de Pedro, e como muitos tinham se deixado arrastar pela mesma dissimulação. Isso você pode ler em Gálatas 2 e Atos 15.

A reunião dos apóstolos portanto em Atos 15, para julgar as palavras de Paulo, é para nós um grande exemplo de como a igreja resolvia as coisas no passado. Houve um intenso debate, todos puderam falar, e todos foram ouvidos, e por fim, a igreja chegou a um parecer concordando com eles o Espírito Santo. Quer dizer, eles se reuniram, não para defender Paulo, nem para defender Pedro, mas para buscar compreender o que o Espírito Santo tinha a dizer para a igreja a respeito daquela situação, e então eles todos se dobraram ao que o Espírito Santo falou. É assim que se julga as causas na igreja de Cristo com justiça, Deus fala em sua palavra, e todos nos dobramos, e isso só é possível quando há humildade em todos os corações, e esforço conjunto para manter-se a unidade com Cristo, e disposição de espírito para se dobrar diante das palavras de Deus.

Você pode ler Atos 15 e Gálatas 2 depois e o Espírito Santo ministrará os seus corações. Por aqui encerro estas palavras, e quem sabe em próxima oportunidade falaremos a respeito de qual tipo de juízo Deus proibiu os cristãos de fazerem. Neste daqui, nós falamos resumidamente a respeito de qual é o tipo de juízo que Deus quer que os cristãos exerçam. Julguem tudo que lerem e escutarem, seja aqui, ou em outros locais, julguem para o vosso próprio bem. Não se deixem levar por belas palavras, ou encantadores discursos, nem mesmo pela aparência das pessoas. E que o Senhor nos ensine, nós que temos sido um povo que não sabe nem discernir a mão direta da esquerda, chamados para julgar os anjos, mas mal conseguindo resolver pequenas questões entre nós mesmos, questões que nem deveriam existir. Que Deus tenha misericórdia de nós, e encontre em nós um coração arrependido como o dos ninivitas que se arrependeram diante da pregação de Jonas, e eis nos aqui, miseráveis, pois nós temos ouvido as palavras de JESUS, Aquele que é maior do que Jonas.

Que assim o Senhor nos ajude.

Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benignidade, e andes humildemente com o teu Deus? Miquéias 6:8

"Aprendei a fazer bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas." Isaías 1:17

"Fazer justiça e juízo é mais aceitável ao Senhor do que sacrifício." Provérbios 21:3

"Estas são as coisas que deveis fazer: Falai a verdade cada um com o seu próximo; executai juízo de verdade e de paz nas vossas portas." Zacarias 8:16

Shalom

Anderson

Arrepende-te Brasil
Share on Google Plus

Sobre o site ArrependeteBrasil

Arrepende-te Brasil: Nosso intuito é pregar o Evangelho de Jesus Cristo gratuitamente, sem pedir ofertas, sem falar em dinheiro, levando o conhecimento de Cristo a todos de graça e pela graça que nos foi dada pela Cruz e pelo Sangue do Nosso Senhor Jesus. Nosso foco é preparar o caminho, levar um povo a consciência e atitude de preparação individual para a volta do Senhor Jesus em Arrependimento e Santidade pelo Poder do Espírito Santo de Deus, para a Glória de Jesus e do Pai em Seu Filho Amado a quem nós também amamos, recebemos e ouvimos como Único Deus Senhor e Salvador.