Os 40 mártires de Sevaste (do gelo)


No dia 9 de março, completou-se 1694 anos da morte dos 40 mártires do gelo. Você conhece a história destes homens?

No ano 320 d.C., milhares de cristãos se espalhavam pelo Império Romano. Apesar de toda perseguição, o número dos cristãos só aumentava. Havia cristãos em todas as esferas da sociedade. Inclusive nas forças armadas, obrigatória para todos os cidadãos do império.

Era comum a religião entre os soldados. Em cada local onde as legiões de soldados romanos se encontrava haviam lugares de culto a Mitra, a Jesus, a César, enfim, àquele que tais soldados consideravam seu Deus. 

O episódio dos 40 mártires foi um dos mais estranhos da história. A começar pelo fato de um número grande de soldados serem mortos por seus próprios companheiros. TUDO COMEÇOU QUANDO o imperador Licínio exigiu que as tropas sacrificassem à sua imagem. Agrícola, governador da região onde estavam os 40 soldados, fez valer a ordem do imperador. O governador Agrícula, no início de março de 320 d.C., levou à tropa que estava em Sevaste (atualmente na Turquia) a ordem de Licínio.

No entanto, 40 dos soldados que estavam ali eram cristãos. Estes, se recusaram oferecer sacrifícios em adoração ao imperador. Segundo o relato de alguns dos Pais da Igreja, um dos 40 disse assim:

– Não vamos sacrificar, pois isso é trair a nossa santa fé.

O governador, calma mas firmemente respondeu:

– Mas, o que vocês falarão aos seus companheiros? Pensem! Somente vocês, de toda a tropa de César, irão desafiá-lo? Pensem! Pensem na vergonha que vocês trarão aos seus companheiros e à sua legião!

Mas, ainda assim, eles permaneceram firmes em sua posição.

– Desonrar o nome de nosso Senhor Jesus Cristo é algo mais terrível ainda!

O governou respondeu:

– Vocês estão loucos! Vocês não têm nenhum senhor senão César! Em nome dele eu prometo a promoção para o primeiro de vocês que der um passo à frente e cumprir o seu dever de sacrificar ao imperador!

Após breve pausa, nenhum deles se moveu. Então, Agrícola mudou sua tática:

– Vocês irão perseverar em sua rebelião? Se perseverarem, preparem-se para a tortura, para a prisão e para a morte! Esta é a sua última chance. Vocês irão obedecer ao imperador?

 Embora sabiam que o governador não estava brincando, os soldados mativeram-se firmes em sua resolução. Outro deles afirmou:

– Nada que você vier a nos oferecer substituirá o que perderíamos no outro mundo. Quanto às ameaças de tortura, prisão e morte, aprendemos a negar o nosso corpo quando o bem-estar de nossa alma está em jogo.

– Açoite-os!, gritou Agrícola.

Os próprios companheiros de farda tiveram de prender e açoitar cada um de seus companheiros. Levaram-nos para fora, no frio gelado de Sevaste, tiraram-lhes as roupas e os amarraram em postes. Depois de amarrados, foram chicoteados severamente. Após isso, chicotes com pequenos ganchos de ferro rasgaram suas peles nuas espalhando sangue sobre o gelo.

Em meio ao sangue sobre o branco da neve e aos gemidos de frio e de dor, os soldados que espancaram seus próprios companheiros deixaram o local do açoite sem que nenhum dos 40 soldados cristãos voltasse atrás em sua decisão. Depois de algum tempo, Agrícola ordenou que os 40 fossem presos em sua masmorra até que Lísias, o comandante daquela legião, chegasse a Sevaste.

QUANDO LÍSIAS CHEGOU, após fracassar em convencer os 40, chamou Agrícola e ordenou que os levasse para a lagoa, do lado de fora. Lá, segundo os escritos dos Pais da Igreja, fazia um frio de cortar as bochechas.

– Vocês ficarão nus, no lago, até decidirem sacrificar aos deuses, disse Lísias aos soldados.

Imediatamente, todos os soldados tiraram suas roupas e correram em direção à lagoa, extremamente gelada, envolta por neve em suas margens. Correndo, alguns dos soldados gritaram:

– Somos soldados do Senhor e não tememos nada. O que é morrer, senão entrar na vida eterna? Cantemos, irmãos!

Perplexo, Agrícola viu seus guardas puxando uma canção e correram para o lago congelado. Chegou a ordenar que colocassem grandes banheiras ao redor do lago. Sua esperança era que os soldados, antes de congelarem, se arrependessem e saíssem de lá para se aquecer e sacrificar ao imperador. Alguns soldados gritavam para os que estavam no lago tentando convencê-los a sairem de lá. 

EM ALGUM MOMENTO, um dos soldados que estavam fora do lago disse estar vendo espíritos com coroas de ouro pairando sobre o lago, parecendo estar estendendo roupas para aqueles que congelavam no lago. Seus companheiros disseram que ele estava ficando louco por causa do frio. Além de estar extremamente escuro não se podendo enxergar quase nada, o frio esfaqueava seus rostos.

Naquela hora, um dos 40 que estavam no lago saiu correndo em direção a uma das banheiras aquecidas. Ajudado por soldados que estavam do lado de fora, mergulhou numa das banheiras quentes e morreu instantaneamente por causa do choque térmico. Entrando em convulsão, acabou morrendo ali.

O guarda que estava do lado de fora e havia tido a visão, mais que depressa tirou suas roupas e se juntou aos mártires dentro do lago. 

Na manhã seguinte, Agrícola foi avisado de que haviam 40 soldados mortos dentro do lago, e mais um morto quando quis escapar do lago. Ordenou que seus corpos fossem tirados do gelo e queimados. As cinzas deveriam ser jogadas em um rio que passava ali por perto.

Então, algo inusitado aconteceu. O responsável por jogá-los no fogo percebeu que um deles estava aparentemente vivo e gritou:

– Ei, temos um vivo aqui! É Melito! Coitado, ele é apenas um garoto.

Outro soldado disse:

– É um garoto aqui do local. Ei, veja sua mãe lá.

O soldado acenou para a mãe de Melito e pediu que ela se aproximasse. Ao chegar perto, disse para ela:

– Escute-nos, mãe. Leve seu garoto para casa, salve-o. Nós iremos olhar para outro lado.

A mulher, profundamente triste, vendo seu filho aparentemente morto, respondeu repreendendo-os:

– Que conversa é essa? Vocês querem privá-lo de sua coroa? Eu nunca deixaria isso acontecer!

À medida que os corpos dos mortos eram colocados sobre uma espécie de vagão que os levaria para a fogueira, sua mãe fez toda a força para levantá-lo fazendo com que seu filho se juntasse aos demais cristãos.

Chorando muito, a mãe disse:

– Vá, filho. Vá para o fim dessa jornada com seus companheiros a fim de que você não seja o último a se apresentar diante de Deus.

Um dos guardas bateu com as mãos na cabeça, olhou para cima e disse:

– Cristãos! Eu simplesmente não os entendo.

Basílio de Cesareia (séc. IV) foi outro que também narrou e escreveu a respeito dos 40 mártires. Basílio disse ter conhecido alguns homens bastante idosos que foram companheiros dos bravos 40 mártires.

Creio que a história desses homens deve nos levar a pensar em nossas próprias vidas e histórias. Devemos viver como homens e mulheres que já morreram também. Embora o martírio vermelho não exista entre nós, aquilo que os Pais da Igreja chamaram de Martírio Branco ainda nos desafia. 

O martírio branco é o morrer diariamente sem o derramamento de uma gota de sangue. É o morrer para este mundo, para o pecado, para as nossas próprias vontades. É lembrar todos os dias de que já não vivemos mais, mas que Cristo vive em nós. Não nos esqueçamos nós também de que morremos com Cristo. Vivamos como tais, a fim de que a luz e a graça de Cristo resplandeçam mais e mais através de nossas vidas.

Fonte: wilsonporte.org
Share on Google Plus

Sobre o site ArrependeteBrasil

Arrepende-te Brasil: Nosso intuito é pregar o Evangelho de Jesus Cristo gratuitamente, sem pedir ofertas, sem falar em dinheiro, levando o conhecimento de Cristo a todos de graça e pela graça que nos foi dada pela Cruz e pelo Sangue do Nosso Senhor Jesus. Nosso foco é preparar o caminho, levar um povo a consciência e atitude de preparação individual para a volta do Senhor Jesus em Arrependimento e Santidade pelo Poder do Espírito Santo de Deus, para a Glória de Jesus e do Pai em Seu Filho Amado a quem nós também amamos, recebemos e ouvimos como Único Deus Senhor e Salvador.